sábado, 15 de outubro de 2016

meu mundo quântico



me lanço na oportunidade que o tempo

me empresta

atiro no vácuo da imaginação

uma folha de papel escrito

poderia ser um teclado,

mas escolho ser (arcaica?)

por enquanto nada ultrapassaria a velocidade da luz

assim o tempo não faria uma dobra

e as horas continuariam seu curso em linha reta

absolutamente normal, abstrata e bela

esse universo quase malha que me inspira

sentir como poeta

e perceber que meu corpo tem infinitos átomos

como estrelas no céu

me seduz  com seus vastos mistérios

sem saber se um dia saberei decifrá-lo


Marisete Zanon – In Confissionarium Book  

Nenhum comentário:

Postar um comentário