quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Sinestesia


                                               
                                       


A porta se fecha e atrás dela
quase uma vida se foi
aqui entre essas paredes
restaram cinzas e vida escassa
os cheiros azuis e lilases do nosso amor
que encharcavam nosso santuário de gozo
são agora vermelhos com gosto de mofo e breu
partes inteiras de carnes, afetos e sonhos
partiram para outra herança
restou um gemido fraco esboçado com as mãos
meu corpo vaga perdido nessa imensidão espremida 
de alma e espaço
não durmo 
tudo é complexo e confuso
minha parte abstrata e poeta acenam, despedem-se de mim
e eu permaneço entre essas paredes amargas
que me oprimem e entorpecem sinestesicamente
entre ilusões e bagaços.




Marisete Zanon