quarta-feira, 24 de junho de 2015

Percepções






Tenho estado ensimesmada com o tempo. Como passa voando e nem percebo. Coisas que queria ter feito, mas não consegui, obviamente porque precisei fazer escolhas para não realiza-las. Tudo é uma questão de tempo, ou de opção? Começo a perceber que tem muito mais relacionado a tudo isso e não é apenas uma escolha. No trajeto da vida são despejadas várias situações, momentos indesejados e isso ninguém escolhe, mas posso baixar a cabeça e aceitar, ou lutar, se for possível até a morte. Lutar até a morte... Por quem eu lutaria até a morte? Pela família? Pela Pátria? Por alguns amigos? É uma questão que me deixa impotente, não sei responder. Com o tempo aprendi que não se pode confiar nas pessoas, nem todas são boas, podem ser verdadeiras sim, mas nas suas maldades e pecadinhos. Não se trata de julgar as pessoas e sim de entender o porquê das quais escolho para conviver. Escolho, ou sou escolhida por outras, isso depende da afinidade. Com o tempo a gente vai aprendendo coisas tão simples e me pergunto por que não percebi isso antes. O tempo passa e vai ensinando, no meu caso aos trancos e barrancos, porque sou cabeça dura. O tempo pode ser um aliado, ou também um carrasco. Nessa complexa dúvida penso no que o tempo fez comigo, ou o que fiz dele e a conclusão que chego é que talvez tenhamos nos perdido pela vida e nos abandonado.  Quem entende isso? Eu entendo.

Marisete Zanon