quinta-feira, 12 de março de 2015

Odeio o trivial




Sempre procurando alguém...
Nenhum estereotipo
Quero um paradoxo!
Algum pragmático.
Nada de convencionalismo.
Eu odeio! O trivial, o standard.
Alguém que me entenda,
Sem racionalismo.
Uma performance...
Uma prova que a vida é arte!
Alguém que encoste sua alma na minha
Alguém que chore...
Alguém que saiba enxergar
E me enxergar!
Alguém que me cubra...
E alguém que me encontre e descubra.
Que fale a minha língua...
E a devore!


Marisete Zanon – In Um olhar de confissões – Book I