terça-feira, 3 de março de 2015

Liberdade de expressão


                                                                     

Quanto tempo ainda vou me permitir estar trancada aqui?
Preciso me libertar. Não sou assim.
Meu esquema é outro. Liberdade.
Há pessoas que preferem viver na clandestinidade.
Vender suas imagens que inventaram para as pessoas leigas.
Ou ingênuas sobre o que se passa por aqui.
Uma imagem para cada um.
Eu sou transparente, eu sou uma bola de vidro.
Minha vida é escancarada, um livro aberto.
Muitos que me conhecem sabem que mergulho fundo
E voo alto, muito alto.
Invisto alto nas emoções que uma leitura possa causar,
Mas invisto pouco em amizades que não me acrescentam nada.
Não sei dizer sim para o que preciso dizer não e vice-versa.
Minha vida é resultado do que eu faço dela,
Não preciso de ninguém para dar palpites.
Sou rebelde com causas quase anárquicas
Sou revoltada com a atitude dos seres humanos mesquinhos
E não com o ser humano.
Às vezes até tento me encaixar no mundo de alguém,
mas se vejo resistência caio fora e que se foda a pessoa.
Sou dama quando preciso, mas barraqueira sou muito melhor.
Se precisar ferir alguém, não firo, aperto fundo o dedo na ferida que ela já tem
E isso basta. Garanto, elas nunca mais voltam.
A covardia, o comodismo e a omissão são cargas negativas dos preguiçosos.
Por isso falo quando preciso, ou brigo quando incitada.
Voo alto para conseguir o que quero
E mergulho fundo quando preciso resolver meus problemas.
Vou à guerra se precisar e garanto que trago muitas medalhas.
Minha liberdade de expressão ninguém tira!!!


Marisete Zanon