terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Expatriada




nada do que tinha era seu
nem mesmo os sentimentos,

estes, apanhava nas vagas de aluguel

o desejo sempre à flor das pernas

bebia seus orgasmos como quem

experimenta uma dose de cocaína

pela primeira vez

e depois dormia sobre algum

peito de avelãs.



Marisete Zanon - Todos os direitos reservados a autora

2 comentários: