quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Bala perdida



não sei por onde tenho andado

nunca senti nada dessa maneira

quero passar por dentro do túnel e encontrar luz do outro lado

tudo é complicado e sempre estive perto de balas perdidas

a estrada tem vários rumos e escolhi os mais difíceis

as almofadas são macias, mas as balas são de chumbo

e não consigo lembrar de quando deitei num campo de flores

entendi que não adianta subir no telhado se as estrelas estão no chão

e a cada instante surgem novas

não tenho conseguido encontrar forças para encontrar o rumo de volta,

mas ainda tenho muito alma por baixo da minha pele


Marisete Zanon  

Nenhum comentário:

Postar um comentário