domingo, 28 de julho de 2013

Um sobrevoo da morte

                                                                  Toon Hertz



A lápide dentro de mim mostra
que já morri faz tempo
os corvos de sobrevoo insistente
espalham suas penas negras
sobre onde uma vez foi saudade
vida de segredos insanos e
confortáveis mentiras.
O espaço tempo sem compasso.
Passo trôpego preso no tempo.
O vento traz um corvo
que me fura um olho.
Eu avisei que já estava morta.



Marisete Zanon