sábado, 6 de julho de 2013

Ser feliz sendo triste

                                                        Alexandra Manukyan



Chegou o momento, talvez um pouco tarde, mas somente agora percebi que isso é importante, tão importante quanto respirar. Está bem, não vou exagerar, mas ser feliz era uma tarefa não significativa para mim. Acostumei-me a tristeza, ao meu mundo taciturno. Ser sorumbática por natureza fez de mim um ser estranho, diferente, mas isso não fez de mim uma pessoa macambúzia. Tendo enveredado pelo caminho das artes, em primazia a literatura e as artes visuais sinto que consigo comunicar-me com o mundo e isso é uma maneira intermitente de estar feliz...E então, com o passar do tempo, pensei em procurar alguém para ser feliz (era o que eu pensava). Dois casamentos, três relacionamentos e dois relacionamentos virtuais fracassados. Ninguém me fez feliz. Ninguém faz ninguém feliz. Alguém poderia apenas me completar com aquilo que não tenho, ou tenho pouco e eu completaria o outro com aquilo que lhe faltasse. Descobri através de uma longa jornada que se pode ser feliz sendo triste. Cansada de ler tantas mensagens de otimismo que não causam-me nenhum efeito de alegria, resolvi ir mais fundo nessa questão através dos meus próprios amigos poetas já idos e lidos por longas datas, porém estado presente em todos os dias da minha vida triste. Os poetas são seres dotados de sensíveis antenas sentimentais, são felizes e tristes. Todos eles. Todos eles e eu. Precisei permitir-me experimentar ser feliz sim! Permitir-me estar feliz mesmo na tristeza não é ser feliz no estado permanente de felicidade, mas é poder estar feliz em alguns momentos e fazer deles algo tão importante, torná-los tão ínfimos, imortais, vívidos, poder trazê-los à memória a hora que quiser recordá-los. Isso sim são momentos que chamo de inesquecíveis. Aquele momento em que captei a tão desejada euforia que todos procuram. Aprendi que estar feliz é capturar os momentos que nos fazem bem e isso não interfere na minha tristeza, mas sim a ameniza.


Marisete Zanon