quarta-feira, 10 de julho de 2013

Odeio o trivial

                                                         imagem do Google


sempre procurando alguém...

nenhum estereótipo

quero um paradoxo!

algum pragmático

nada de convencionalismo

eu odeio! o trivial, o standard

alguém que me entenda

sem racionalismo

uma performance...

uma prova que a vida é arte!

alguém que chore...

alguém que saiba meter!

alguém que saiba enxergar!

alguém que me descubra...

que fale a minha língua...

e a devore!


Marisete Zanon - In Um cordão de confissões