quinta-feira, 14 de março de 2013

No tempo do meu castanho

      Imagem do Google


Ouvi o galopar dos cavalos ao longe vindo da planície verdejante e orvalhada em minha direção. Não havia cerca que os impedissem de ir e vir quando quisessem. Eu as tinha arrancado esperando ansiosamente esse momento.
Levou muito tempo para ouvi-los outra vez e agora achegavam-se a mim devagar, arfando, com olhares meigos e cheios de cumplicidade. O meu preferido, Castanho, aproximou-se num trote delicado, de mansinho e meneava a cabeça como quem pede desculpas pela longa ausência, pedindo carinho, insinuando que eu o montasse. Acariciei o dorso, as crinas e seus grandes olhos castanhos olhavam-me com uma ternura que doía e meus olhos ficaram borrados de uma maré sem culpas. Seu pelo brilhava a luz do sol e suas ancas eram fortes e bem desenhadas. Calma, eu falava, descanse um pouco e eu o montarei e iremos conquistar terras não sonhadas e castelos de nuvens onde só nós saberemos como encontrar para nos escondermos nos tempos ruins e lá colheremos maçãs e ervas para o nosso sustento. Corri para dentro dizendo a eles que esperassem um momentinho e arrumei um cesto cheio de maçãs e cubinhos de açúcar que usava para adoçar meus chás. Distribui maçã a todos e logo estava rodeada por crinas e músculos que reluziam a luz do sol. Gritei para eles que o celeiro estava aberto e que poderiam se servir de alfafa e água o tanto que quisessem e como crianças que correm num pique nique para comer torta eles se foram e aproveitei para montar em pelo em meu Castanho. Agarrada em suas crinas galopamos sempre rodeados de borboletas amarelas e libélulas. Galopamos por algum tempo que não se conta e nem se mede e sumimos no horizonte da planície verdejante ao encontro de terras não sonhadas e castelos de nuvens e meu Castanho alçou um voo levemente íngreme subindo cada vez mais alto e logo nos misturamos ao branco das nuvens, ao azul anil do céu daquela primavera e as borboletas amarelas e as libélulas foram ficando para trás até tornarem-se invisíveis e o que se via era apenas o verde desbotado em que a planície transformava-se. Não olharíamos mais para trás, não entendíamos nada disso sobre regresso e planos...


Marisete Zanon - Todos os direitos reservados a autora

Nenhum comentário:

Postar um comentário