domingo, 17 de março de 2013

Coruja

                                              Xilogravura - Coruja -  5/1 -  Marisete Zanon


                             de noite durmo com os olhos

                              bem abertos

                           é a hora que preciso 

                                    me alimentar

                                 devorar os sentimentos víveres

                               dentro de mim

                                   víveres

                                     vivos

                                        sentimentos



                                  Marisete Zanon  -  In  Um cordão de confissões - 2008

5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Marisete!!!
    Amiga de noite durmo como pedra.
    Adorei seu poema e fiquei tentando me imaginar a dormir como uma coruja...mas não consegui.
    Tenha uma semana feliz e abençoada.
    Bjokas...da Bia!!!

    ResponderExcluir
  3. Amiga é bem verdade, não consigo me imaginar dormindo de olhos aberto... mas sonho. Bjus amiga linda semana pra ti visse!
    => Gritos da alma
    => Meus contos
    => Só quadras


    ResponderExcluir
  4. Dormir de olhos abertos pode até ser, quando nosso olhar se perde no infinito. Profundo poema minha cara. Bom dia!
    => Poesias e poemas
    => Macabraza
    => Desejos ardentes


    ResponderExcluir
  5. E que sempre haja espaço para os sentimentos mais VIVOS...
    Beijinhos, amiga

    ResponderExcluir