sábado, 2 de fevereiro de 2013

Transcender

                                                                imagem do Google



Não importava, o que ela gostava era de dançar

limpando a casa ao som de um folk

que viesse abaixo as prateleiras dos armários

que tudo se ajeitasse a sua maneira

de problemas estava farta

então requebrava

fosse folk, jazz ou blues

nessas horas tudo era azul

de vermelho já bastavam entreveiros

a música penetrando o corpo

embalando o corpitio...

ah, sim....Mercy, mercy

e na casa tudo ia ficando limpinho

e o que importava era transcender...



Marisete Zanon

Um comentário:

  1. Que maneira mais prazerosa de se limpar uma casa. Aproveitar e fazer tudo se divertindo, transcendendo. Poucos conseguem isso. Eu gosto de cantar...
    Beijinhos, Florzinha!!!

    ResponderExcluir