quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

No limiar do tempo

                                             imagem da web




O tempo chega e vai levando algumas coisas,

trazendo-nos outras

e parece que a areia da ampulheta

se torna mais fina

e flui mais rapidamente

talvez o nosso corpo cansado

e frágil vai ficando distraído

perdemo-nos em alguns lugares

e nos sobra a fria solidão

mas nos aconchegamos

nos casacos das lembranças

e a esperança vem nos cobrir

com seu manto de estrelas

onde aguardamos a hora

de seguirmos para outra estrada

cheia de aventuras e delícias.


Marisete Zanon

7 comentários:

  1. Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
    Tenho um blog que gostava que o conhecesse e se desejar faça uma visita ao peregrino E Servo
    Que haja paz e saúde no seu lar.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir
  2. Ola Marisete,
    boa noite,
    um belo poema,
    tempo
    e suas idas e vindas ...

    Desejo-lhe uma bela noite
    abraços e beijos

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. Brigar com o tempo é tão difícil. Mais forte, rasteiro e pra cada momento arranca um pouquinho de nós. Quem dera eu segurá-lo nas mãos, quem me dera...

      Feliz em conhecer seu espaço aqui.
      Abraço e bom final de semana!

      Excluir
  4. Quando somos jovens queremos brigar com o tempo, sempre... Mais vem a maturidade e agora... deito-me em seu colo e carinhosamente deixo ele me levar... na boa amiga. Adorei, lindo poema! Bjinhossss

    ResponderExcluir
  5. por vezes me pergunto se o tempo passa por nós ou somos nós que passamos pelo tempo
    beijos

    ResponderExcluir

  6. " O tempo chega e vai levando algumas coisas,

    trazendo-nos outras "

    " Il tempo arriva e prende alcune cose,

    portandocene altre "

    Ciao ... Sto postando dall'Italia e sono anche io un blogger .
    La poesia è molto bella . un poco triste e un poco reale nella parte finale anche se la traduzione di google a volte e inesatta , concordo con te sul fatto che il tempo si comporta come un ladro che toglie e un benefattore che regala.

    O poema é muito bonito. um pouco triste e um pouco de realidade no final, mesmo que a tradução do google e às vezes imprecisa, eu concordo com você que o tempo se comporta como um ladrão que tira, e um benfeitor que dá.


    Un caro saluto dall'Italia

    ResponderExcluir